Imprensa

Jongo da Serrinha inaugura a Casa do Jongo em Madureira
 
29 de novembro – Morro da Serrinha
Tombado pelo IPHAN como o primeiro Bem Imaterial do Estado do Rio, o jongo ganha um lar oficial no Rio de Janeiro. A sede do Grupo Cultural Jongo da Serrinha abre as portas no dia 29 de novembro com um grande cortejo com a participação do prefeito Eduardo Paes, da Velha Guarda da Serrinha, além do G.R.E.S. Império Serrano, da Portela, Cordão do Boitatá e Cia Folclórica.
“Madureira é um dos bairros mais tradicionais da cidade e agora terá um dos equipamentos culturais mais bem projetados da cidade. A ideia é preservar o jongo e outros patrimônios culturais, além de promover o intercâmbio com artistas pesquisadores e turistas do mundo todo”, afirma Dyonne Boy, coordenadora do Jongo da Serrinha.
Com cerca de 2000m2 e localizada no pé do Morro da Serrinha, a Casa do Jongo conta com cineclube, galerias, salas de dança, estúdio musical, escola de artes e horta comunitária. O Centro Cultural funcionará em um imóvel cedido pela prefeitura do Rio de Janeiro em 2013. O espaço, que antes abrigava uma gráfica, passou por uma reforma seguindo o projeto criado por Pedro Évora e Pedro Rivera da RUA Arquitetos.
“Hoje podemos dizer com todo o orgulho que o Jongo da Serrinha tem um espaço à altura de sua história e identidade cultural. Um endereço que tem tudo para se tornar mais uma referência na Zona Norte e para todos os cariocas. Tenho certeza que a Casa do Jongo será um grande centro cultural, de preservação da memória e de propagação da arte e do desenvolvimento humano. Ficamos muito felizes por Madureira e pelo Rio”, afirma o prefeito Eduardo Paes.
Mais sobre a Casa do Jongo 
O novo espaço possui salão para danças, auditório para 30 pessoas com projetor, estúdios, salas para cursos profissionalizantes, espaço para exposições permanentes, lojas, refeitório e salas administrativas. A Casa conta ainda com cineclube, galerias, escola de artes e horta comunitária, além de um ambiente para rezas e terreiro para jongo e capoeira.
A estética da Casa do Jongo é baseada em uma espécie de museu do subúrbio, que reúne objetos contemporâneos e peças de casas comuns das décadas de 40, 50 e 60, como: filtros de barro, móveis populares e toalhas estampadas de chita. “O objetivo do projeto era criar uma espaço onde a atmosfera familiar reúne, abraça e inspira a todos que frequentarem a Casa”, explica o diretor de arte do espaço, Rui Cortez.
A Casa do Jongo será ainda um espaço complementar para as escolas municipais República Dominicana, Mestre Darcy do Jongo, Ministro Edgar Romero e Irmã Zélia, além das creches Vovó Maria Joana e Tia Maria do Jongo, todas localizadas na Serrinha. No total, 12 atividades culturais gratuitas serão oferecidas para essas escolas, como: canto, jongo, cavaquinho, teoria musical, cultura popular, percussão, cinema, artes, horta, jogos e contação de histórias. A Casa estará em rede com universidades, instituições do poder público e privado, além de países estrangeiros, com foco na África. Em sua nova sede, o Jongo da Serrinha continuará a parceria de 3 anos com o departamento de Belas Artes e Educação Física da UFRJ e pretende ampliar para os setores de Comunicação, Direção Teatral e Agricultura.
A Casa do Jongo pretende ainda implementar atividades de geração de renda, como: venda de roupas e artigos feitos pelos moradores; aluguel do espaço para eventos; aulas de jongo, canto, percussão e cavaquinho; curso de espanhol, entre outras ações. O espaço vai oferecer ainda lazer gratuito num projeto de economia solidária, arte e educação. Ao longo do ano, serão produzidos eventos comunitários como mostras de cinema, festas, semana da leitura, apresentações artísticas e gravações musicais.
“Nosso objetivo é fazer da Casa uma unidade escolar complementar de cultura, recebendo crianças no espaço. A Casa do Jongo vai também implementar atividades de geração de renda e oferecer lazer gratuito num projeto de economia solidária, arte e educação. Ao longo do ano, serão produzidos eventos comunitários como mostras de cinema, festas, semana da leitura, apresentações artísticas, gravações musicais, etc”, conclui Dyonne.
Programação inauguração Casa do Jongo – 29 de novembro ( domingo) :
10h – Cortejo para lavagem da Rua Compositor Silas de Oliveira até a Casa do Jongo com líderes de diversas religiões e grupos artísticos convidados (G.R.E.S. Império Serrano, Portela, Cordão do Boitatá, Cia Folclórica entre outros);
10h30 – Chegada na Casa, café da manhã, prefeito corta a fita com Tia Maria do Jongo;
11h – Apresentação de Orquestra de alunos da UFRJ tocando jongos da Serrinha;
12h – Almoço e início da roda musical com convidados;
18h – Encerramento da Roda
Mais sobre a ONG Jongo da Serrinha 
 
O Grupo Cultural Jongo da Serrinha tem 50 anos e foi criado no bairro de Madureira, zona norte da cidade do Rio de Janeiro. O Grupo promove ações integradas entre cultura, arte, memória, desenvolvimento social, trabalho e renda. Sua formação se deu a partir de Mestre Darcy Monteiro, já falecido, e sua família, que convidaram as antigas jongueiras Vovó Teresa, Djanira, Tia Maria da Grota e Tia Eulália.
Há 13 anos se tornou oficialmente uma Associação Sem Fins Lucrativos e vem atuando em parceria com o poder público, privado e instituições internacionais. Em 2005, o jongo foi tombado pelo IPHAN como o primeiro Bem Imaterial do Estado do Rio, e um dos seis primeiros do país, graças a uma iniciativa do Jongo da Serrinha. Em 2015 será inaugurado em parceria com a Prefeitura e a Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro a Casa do Jongo, um centro cultural com 1700m2 em Madureira.

SERVIÇO

Data: 29 de novembro
Horário: das 10h às 18h
Local: Casa do Jongo
Endereço: Rua Silas de Oliveira, 101 – Madureira
GRÁTIS

visite o site do Jongo da Serrinha

jongodaserrinha.org

Contato para imprensa

LEAD Comunicação

Tel 21.2222-9450 / 9 9348-9189 / leadcom@terra.com.br